movimento nova cena

mudanças no MinC

Posted on: 23/02/2011

>> Situação política no Ministério da Cultura tem repercussão internacional – Marco Amarelo [do ciranda.net]

“A assembléia de convergência da comunicação que aconteceu no Fórum Social Mundial Dakar 2011, aprovou uma carta aberta à presidenta Dilma Rousseff de apoio às políticas progressistas implementadas por este ministério nos últimos oito anos e de crítica às mudanças recentes.”

A carta diz: “É importante notar que houve uma narrativa subjacente a todos os novos caminhos das políticas públicas de cultura no Brasil: eles foram inspirados pelo espírito de abertura e reconhecimento de pioneirismo que a cultura é feita em todos os lugares e por todos, e que a cultura e a educação são direitos fundamentais e constitucionais. O tesouro mais importante é a enorme diversidade cultural do Brasil. Um contingente de milhões de novos criadores é agora parte do tecido da cultura brasileira. Isso é o que chamamos de emancipação.”

>> Novo ministério vê cultura como bem de consumo passivo – Sílvio Guedes Crespo / Ronaldo Lemos [do radar econômico]

“Para entender a mudança de rumo na política cultural, [Ronaldo] Lemos indica a leitura do trabalho de uma pessoa que de certa forma também está no governo – a gerente de patrocínios da Petrobrás, Eliane Costa.”

“É uma pesquisa ampla a respeito das políticas do Ministério da Cultura nos últimos 8 anos, que tem como foco principal a relação entre políticas culturais e a tecnologia. (…) O trabalho mostra como Gil privilegiava a tecnologia como canal importante para o acesso, produção e disseminação da produção cultural, inclusive em áreas periféricas ou negligenciadas, abrançando ferramentas como o software livre ou as licenças Creative Commons. Sobre isso, a atual gestão do MinC aponta no sentido oposto, de enxergar a cultura como um bem de consumo passivo, privilegiando sobretudo o papel de entidades como o Ecad (entidade que arrecada e distribui dinheiro referente a direitos autorais).”

>> Os nacionalistas da cultura (“Creative Commons é entreguismo”) – Pablo Ortellado [do brasildefato]

“No mercado de música brasileiro, os autores são brasileiros, mas as empresas são estrangeiras. O discurso pseudo-nacionalista só pode funcionar porque o Brasil tem uma situação ímpar: é o único país, fora os Estados Unidos, onde o consumo de música nacional é superior ao de música estrangeira. No entanto, essa música nacional é explorada por empresas majoritariamente estrangeiras: a Warner, a Sony, a EMI e a Universal. O que temos, portanto, é uma associação entre os grandes autores nacionais (os velhos nomes da MPB e os novos nomes do pop e do sertanejo) e as grandes empresas internacionais. (…) É no mínimo curioso que agentes das grandes multinacionais utilizem um discurso nacionalista e até anti-imperialista para atacar os ativistas da cultura livre.

O movimento de cultura livre defende a independência dos criadores, não a indústria – nova ou velha. (…) me parece claro um objetivo comum: o de produzir uma nova economia da cultura, na qual os criadores e não os intermediários sejam os principais beneficiários dos dividendos econômicos e na qual os bens culturais possam circular livremente sem barreiras de direito autoral, permitindo o acesso de todos ao patrimônio cultural. (…) O movimento de cultura livre defende um modo de produzir cultura descentralizado, diverso, esteticamente autônomo, economicamente sustentável e no qual os bens culturais sejam acessíveis a todos.”

Anúncios

4 Respostas to "mudanças no MinC"

[…] um ministério da Cultura?, Redes ou centralidade?, O MinC de Ana de Hollanda, MinC: Cultura viva, mudanças no MinC :: sobre Direito Autoral: debate sobre direito autoral, direito autoral, compartilhamento […]

[…] sobre o MinC [posts do Novacena]: Mais do MinC; MinC: procultura já!; Qual a função de um ministério da Cultura?; Redes ou centralidade?; O MinC de Ana de Hollanda; MinC: Cultura viva; mudanças no MinC […]

[…] “A secretária nacional de Cultura do PT, Morgana Eneile, foi nomeada assessora especial da ministra com a missão expressa de ajudá-la a debelar a crise e construir uma agenda positiva. Eneile apoiou a indicação de Hollanda para o ministério, em dezembro passado. A ministra tornou-se alvo de críticas por várias razões. Ela quis rever a reforma na lei de direitos autorais prometida por seu antecessor, Juca Ferreira, e suspendeu o pagamento de convênios com indícios de irregularidades. Também eliminou do site do ministério o selo “Creative Commons”, licença para uso livre de conteúdo na internet. Em outra frente, fragilizou-se entre os petistas. Provocou isso ao cancelar a nomeação do sociólogo Emir Sader para presidir a Fundação Casa de Rui Barbosa, depois que ele declarou em entrevista à Folha que a ministra era “meio autista”. Todos esses episódios, somados ao uso de diárias de viagem em finais de semana sem agenda oficial, transformaram Ana de Hollanda na mais frágil residente da Esplanada dos Ministérios.” mais sobre o Minc [posts do Novacena]: O MinC e as grandes indústrias; Mais do MinC; MinC: procultura já!; Qual a função de um ministério da Cultura?; Redes ou centralidade?; O MinC de Ana de Hollanda; MinC: Cultura viva; mudanças no MinC […]

[…] mais sobre o MinC [posts do novacena]: Notícias do MinC; O MinC e as grandes indústrias; Mais do MinC; MinC: procultura já!; Qual a função de um ministério da Cultura?; Redes ou centralidade?; O MinC de Ana de Hollanda; MinC: Cultura viva; mudanças no MinC […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

fevereiro 2011
S T Q Q S S D
« jan   mar »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28  

siga @novacena no twitter

%d blogueiros gostam disto: